TRANSPORTE
NO RIO

Metrô Bom
Navio Bom
Trem Bom
Avião Bom
Câmara discute Projeto de Lei Orçamentária de 2019 - Editoriais - Band News FM

Economia

Texto:
+
-

Câmara discute Projeto de Lei Orçamentária de 2019

Por Daniella Dias, às 17/10/2018 - 18:12

Durante a audiência, Paulo Messina criticou o orçamento feito para 2018

00:00 / 00:00

Recentemente a prefeitura anunciou que cortes nas Clínicas da Família devem acontecer (Foto: Divulgação )

A Câmara de Vereadores do Rio discutiu, nesta quarta-feira (17), o Projeto de Lei Orçamentária de 2019 que prevê aumento nos gastos da Secretaria Municipal da Casa Civil. 

Enquanto há aumento de um lado, há redução do outro já que a saúde vai sofrer cortes de pouco mais de 13%.  Para 2019, a pasta deve receber R$ 5 bilhões e 300 milhões. Já a Casa Civil recebe um acréscimo orçamentário de R$ 588 milhões, totalizando pouco mais de R$ 8 bilhões. 

De acordo com o secretário municipal da Casa Civil, Paulo Messina, o aumento acontece, principalmente, devido a um aumento de  R$ 600 milhões na folha de pagamento da Previ-Rio.

Recentemente a prefeitura anunciou que cortes nas Clínicas da Família devem acontecer. O objetivo é oferecer o atendimento apenas para as áreas da cidade com menor desenvolvimento social. 

Na última terça-feira (16), funcionários da Coordenação de Emergência Regional, anexo ao Miguel Couto, localizado no Leblon, Zona Sul do Rio, denunciaram problemas em diferentes unidades de saúde do município, como conta este ouvinte que teve a identidade preservada. 

Apesar dos cortes na saúde, a Casa Civil afirmou que o investimento na pasta continua 6 pontos percentuais acima do mínimo exigido constitucionalmente que é de 15%.  Ainda segundo o secretário Messina, novas construções como hospitais não vão acontecer nos próximos anos enquanto as estruturas atuais não estiverem com bom funcionamento. 

Durante a audiência, Paulo Messina criticou o orçamento feito para 2018 ao dizer que o valor não refletia a arrecadação real. 

A afirmação causou burburinhos na casa e os vereadores exigiram que o prefeito Marcelo Crivella assuma mea culpa por ter enviado para votação no ano passado um orçamento para 2018 que, segundo a Casa Civil, possui erros. 

NEWSLETTER
OU