19 ºC 26 ºC Rio de Janeiro
(21) 2542-2132 ouvinterj@band.com.br (21) 99623-6060
Polícia Federal e Procuradoria Geral Eleitoral apuram relação entre vereadores e traficantes em Niterói - Editoriais - Band News FM
Plantão

Política

Texto:
+
-

Polícia Federal e Procuradoria Geral Eleitoral apuram relação entre vereadores e traficantes em Niterói

Paulo Bagueira e Renato Cordeiro Junior foram citados em áudios de traficantes da comunidade do Cavalão

A Procuradoria Geral Eleitoral do Estado do Rio e a Polícia Federal vão investigar os áudios envolvendo conversas entre traficantes da comunidade do Cavalão, em Niterói, na Região Metropolitana, que citam os nomes dos presidentes da Câmara de Vereadores Paulo Bagueira (Solidariedade) e do vereador Renato Cordeiro Junior, o Renatinho da Oficina (PTB).

Nos áudios, os bandidos falam que os vereadores tinham trânsito livre para realizar campanha eleitoral na comunidade durante as eleições de outubro de 2016.

Os órgãos vão apurar se há alguma relação entre os políticos e os traficantes investigados na ação da manhã desta quarta-feira (08), que resultou na prisão de sete criminosos acusados de integrar o tráfico na comunidade.

O delegado Robson Silva, que iniciou as investigações, explica que as conversas indicam favorecimento por parte da organização criminosa que atua no morro do Cavalão aos vereadores citados nos áudios.

Caso fique comprovada a relação entre os vereadores e os criminosos, os dois políticos vão responder pela prática de crime eleitoral, sob a acusação de compra de votos.

Procurados, os políticos informaram que estão à disposição da justiça e negaram qualquer envolvimento com o crime organizado. Apesar de sete pessoas terem sido presas, a operação realizada nesta quarta-feira tinha como objetivo cumprir 81 mandados de prisão preventiva e 84 de busca e apreensão contra denunciados por tráfico de drogas.

Segundo as investigações, os criminosos também revendiam drogas em penitenciárias. O chefe da organização criminosa foi identificado como Reinaldo Medeiros Ignácio, conhecido como Kadá. O inquérito aponta que, mesmo detido no Presídio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, o bandido continua à frente do tráfico na comunidade.

Por Marcelo Silva, às 08/08/2018 - 17:32

NEWSLETTER
OU